Projeto de Incentivo à Leitura da Biblioteca do Florence é selecionado pelo X Seminário de Políticas Públicas de Bibliotecas, Leitura e Informação durante a 12ª FELIS

O Projeto de Incentivo à Leitura desenvolvido pela Biblioteca Wanda de Aguiar Horta, do Instituto Florence de Ensino, foi selecionado para ser apresentado como modelo orientador no X Seminário de Políticas Públicas de Bibliotecas, Leitura e Informação, durante a realização da 12ª Feira do Livro do São Luís (FELIS). O Conselho Regional de Biblioteconomia fez o convite às Bibliotecárias do Florence, que submeteram o resumo do projeto, sendo selecionado para ser apresentado destacando o que a instituição vem fazendo para incentivar a leitura dentro do seu ambiente de ensino.

A bibliotecária da instituição, Brenda Mendes, comenta sobre o projeto: “Nós sentimos a necessidade de implantar projetos de leitura na instituição uma vez que os alunos e os funcionários leem apenas livros técnicos. Eles não tinham uma leitura de descontração, algo para relaxar e tirar um pouco daquela tensão do dia a dia. Eles sempre procuravam por livros técnicos, e os funcionários pouco frequentavam a biblioteca. Dentro dessas necessidades, nós resolvemos implantar ações que incentivam a leitura, e uma delas, foi à troca de livros, onde os alunos trazem livros, levam outros, e isso tem sido muito bom”. E sobre o convite do CRB, ainda acrescenta: “Foi um grande privilégio termos o projeto aprovado como uma ação necessária, não apenas para a nossa instituição, mas como uma importante iniciativa para toda a sociedade, porque precisamos ter o hábito de leitura. Durante a campanha, tivemos uma palestra com o professor da instituição, Heitor Oliveira, onde ele disse: “A leitura engrandece, não importa o que você leia, mas leia”. E isso tudo possibilita um estímulo de conhecimento, uma gama de sabedoria, vai tornar o vocabulário melhor. A leitura ajuda também a parte da saúde do cérebro. E o que a biblioteca quer, é justamente isso, mostrar o papel da biblioteca como incentivadora da leitura”.

Curso de Odontologia do Florence realizou a 7ª Jornada Odontoflorence e a 2ª Jornada Internacional Odontoflorence

O Instituto Florence de Ensino Superior, por meio da Coordenação do Curso de Odontologia realizou, nos dias 12, 13 e 14 de novembro, a sua 7ª Jornada Acadêmico-Científica de Odontologia – Odontoflorence e sua 2ª Jornada Acadêmica Internacional, com o tema: “ODONTOLOGIA PARA QUALIDADE DE VIDA”, no auditório do Instituto Florence e nos laboratórios Pré-clínicos e Núcleo de Especialidades Odontológicas (NEO) do Florence, onde aconteceram palestras e minicursos. O Odontoflorence tem como principal objetivo aprimorar e agregar conhecimentos entre acadêmicos e profissionais envolvidos com a odontologia no Maranhão por meio do intercâmbio científico com a participação de renomados palestrantes locais e internacionais, bem como permitir a divulgação da produção científica realizada no Estado.

Assim, com o debate da temática “Odontologia para qualidade de vida”, esta jornada se propôs a discutir processos científicos e clínico-odontológicos que visam uma abordagem ao indivíduo de forma integral, atendendo a uma formação generalista, com base em preceitos do Ministério da Educação, e consequentemente, do mercado de trabalho. E nesse cenário, o propósito foi refletir também sobre a formação profissional.

Sob a ótica da promoção de saúde, a relação entre qualidade de vida e saúde bucal tem sido motivo de atenção dos profissionais da odontologia, principalmente pela relevância de problemas bucais e dos impactos físicos e psicossociais que ela acarreta na vida das pessoas. Diante deste contexto, contribuir para a formação de cirurgiões-dentistas com uma visão holística e integralizada, torna-se uma missão fundamental para o curso de odontologia do Instituto Florence de Ensino Superior.

A coordenadora do Curso de Odontologia do Instituto Florence, Profa. Ma. Karime Lima, falou sobre o tema discutido nessa jornada “Estamos indiscutivelmente vivendo um momento em que cada vez mais pessoas buscam pelo bem-estar. Com o aumento da expectativa de vida, todos querem viver bem e melhor. Além disso, temos o fenômeno da democratização da informação e do consumo de produtos e serviços. O mesmo acontece referente à preocupação com a boca e o sorriso. É compensador comparar como era o atendimento no consultório odontológico há 10 anos. Grande parte dos pacientes procuravam o dentista em uma situação limite, onde a preocupação era quais dentes teriam de tratar o canal e/ou quais iria perder. É claro que isso ainda faz parte de nossa realidade, mas, em contrapartida, aumentou a procura por tratamentos preventivos e estéticos. Importante dizer que aliado ao maior acesso da população aos tratamentos houve importantes avanços tecnológicos na área. E o cirurgião dentista está entre os profissionais que mais investem em aprimoramento profissional após a graduação no Brasil”.

Convidada para participar do Simpósio Internacional, a Profa. Dra. Rita Villena, Coordenadora da Unidade de Odontopediatria da Universidade San Martin, no Peru, palestrou sobre o “Uso Racional de Fluoretos na Qualidade de Vida” e comentou sobre o tema e sua importância. “Para mim, é um prazer estar aqui nessa jornada para falar sobre esse tema, que é o uso do Fluoreto, porque esse é um assunto que interessa aos odontopediatras e odontólogos de modo geral, para saber como utilizá-lo corretamente, pois é um assunto que hoje em dia está passando por muitas mudanças e atualizações a respeito. E sabendo-se que a prevalência de cárie é muito alta, sobretudo na infância, a gente precisa entender como usar o Fluoreto de maneira positiva para nos ajudar. O Flúor sozinho não vai resolver o problema da cárie, isso vem junto com educação, com higiene, com dieta e redução de açúcar. Assim, como temos tantas mudanças sobre esse tema, é importante que os acadêmicos aqui presentes estejam cientes das últimas atualizações a respeito e que saibam usar de maneira correta o Fluoreto”.